Obrigada.

Bem vindo(a)! Que você seja edificado(a) com as mensagens! Volte sempre!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Perdão – Um Ingrediente Essencial

Todo relacionamento para sobreviver precisa de uma quantia generosa de perdão. Todos nós temos fraquezas e reações imaturas que magoam os outros. E aqueles que estão mais perto geralmente são os mais atingidos pelas suas deficiências. Portanto, quanto mais íntimo o relacionamento, tanto mais importante é sua capacidade de perdoar.
Guardar rancor deteriora qualquer relacionamento. E você tende a interpretar todas as outras experiências com aquela pessoa que lhe ofendeu. Armazenar repulsas não só destrói no final, mas torna a pessoa extremamente infeliz durante todo o percurso.
Assim como uma pessoa em desenvolvimento precisa experimentar o amor para aprender a amar, você também precisa experimentar o perdão para poder oferecê-lo. A experiência da fé cristã lhe fornece os recursos essenciais para atingir um estilo de vida que liberta você através do perdão.
Toda pessoa “normal” tem consciência de culpa. Porém, há diferença entre culpa falsa (assumir a culpa que não é sua); culpa verdadeira (experimentar a reprovação de uma consciência sensível que lhe diz a realidade); e a culpa negada (assumir a atitude de inocência e acusar os outros pelos problemas do mundo).
As boas-novas da fé cristã fazem você enfrentar a realidade de sua culpa verdadeira, primeiro contra Deus e depois contra as pessoas.
Para enfrentar sua rebeldia contra Deus e egoísmo para com os outros a pessoa precisa engolir seu orgulho, humilhar-se, arrepender-se de seus erros e buscar o perdão de Deus. Perdoar, no sentido bíblico, significa “aliviar ou erguer; remir; absolver ou apagar”. Dá ideia de libertar alguém dos laços de um ato passado. Quando Deus perdoa, remove a barreira que o pecado criou entre a pessoa e Ele.
A culpa esmaga. O perdão liberta.
Um indício de que você realmente recebeu o perdão de Deus é sua disposição de fazer toda e qualquer restituição possível àqueles que foram feridos por seus atos.
Sendo assim, o lugar para você começar a aprender sobre o perdão é com Deus. Quando você experimentar o Seu perdão, será mais fácil reconhecer seus erros diante dos outros e pedir-lhes perdão, e também perdoar aqueles que lhe ofenderam.
Da mesma forma, quanto mais profunda sua própria experiência em ser perdoado, tanto mais fácil lhe será conceder o perdão a outros.
Aproveite esta época de natal e de retrospectiva do ano que se finda e avalie seus relacionamentos. Busque o perdão de Deus e depois das pessoas. Perdoe e seja perdoado. Isso lhe proporcionará um ano novo de paz na consciência e de comunhão verdadeira com as pessoas e com Deus.



Um semana abençoada e abençoadora a todos.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Oração - Um Recurso Negligenciado


O que Deus faz na vida de quem ora, como também na vida daquele por quem se ora, torna a oração o recurso mais valioso para a solução de conflitos. Isto se aplica especialmente quando você leva a sério sua comunicação com Deus e procura a solução Dele para a sua dificuldade.
Quando seu problema se torna maior que Deus em sua mente, você realmente está em perigo. Esse sentimento só aumenta sua ansiedade e lhe traz uma sensação de desespero. Se o seu pedido é maior que o seu Deus, que esperança lhe resta?
Mas, quando você entra em oração, o Senhor lhe convence de suas fraquezas e abre em você a porta para a tolerância e a compreensão para com as suas fraquezas e as dos outros.
O alvo principal da oração é Deus. O próprio ato de olhar para Ele pedindo ajuda afasta sua atenção de si mesmo, dos outros e da situação desesperadora que está vivenciando. Neste momento de ‘abertura’, Deus lhe dá visão interior, compreensão, compaixão, paz de espírito e confiança de que a situação pode ser resolvida. A oração renova sua fé e sua força emocional e espiritual.
“Mas os que esperam no Senhor, renovam suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.” Isaías 40.31.
Quando você ora concentrando sua atenção em Cristo, Deus se torna maior que o seu pedido e o capacita a descobrir uma solução viável para seus problemas.
Quando você ora derramando seu ego mais profundo e como uma atitude de franqueza e receptividade diante de Deus, isso permite a Ele colocar sua vontade própria em acordo com a vontade Dele para sua vida. Essa transição da atitude “eu-quero-como-eu-quero” para a posição “eu-quero-como-tu-queres-Senhor” pode surgir num instante ou pode vir depois de uma grande luta interior. Mas quando você a alcança passa a conhecer o poder de Deus para mudar, curar, reconciliar e resolver qualquer problema ou situação.
Da próxima vez que você enfrentar qualquer conflito, experimente o poder restaurador da oração.
Tenham todos uma semana restauradora.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Senso de Humor – Um Trunfo Valioso

Sugiro que você leia a postagem anterior que ajudará a compreender melhor a atual.

Conflito é coisa séria! É tão sério que não podemos entrar nele sem senso de humor.
O verdadeiro senso de humor tem sua origem em Deus, e Deus o concedeu ao homem em profusão.
Reconhecer a comédia inerente à espécie humana pode ser um trunfo real para a solução de problemas. Muitos impasses nos relacionamentos já foram resolvidos com o curativo senso de humor. Quando você consegue rir de si mesmo e reconhecer sua própria teimosia, ou qualquer outra coisa, diante de um conflito com outrem, sua ira logo desaparece. Daí, você pode resolver o problema com um estado de espírito mais razoável. Além disso, o humor traz de volta o prazer num relacionamento, o que torna o conflito estimulante para o crescimento, em vez de um dano a saúde.
O humor facilita o diálogo de maneira linda. Conhecer pessoas que têm diferentes pontos de vista em diversos assuntos, não só é inevitável, como também potencialmente enriquecedor. Quando você enfrenta diferenças, pode ser tentado(a) a impor a sua opinião. Mas lembre-se: ser opinioso(a) não só lhe impede de ganhar adeptos ao seu modo de pensar, como também afasta as pessoas envolvidas. É um paradoxo que quanto mais certeza temos da validade de nossas convicções, tanto mais abertos nos tornamos para com aqueles que discordam de nós. Quanto menos certeza temos, tanto mais forte a nossa necessidade de levar os outros a aceitarem nosso ponto de vista.
Há pouco valor em vencer uma argumentação arriscando perder pessoas.
Sarcasmo não tem lugar no diálogo.  E uma boa maneira de você verificar a inteireza do seu humor é verificar se é isento da intenção de ferir, isto é se está livre do sarcasmo.
Se você realmente decidir que quer participar no milagre do diálogo, é indispensável, então, manter um bom senso de humor. Você não pode se tornar tão veemente e sério a ponto de ameaçar as pessoas e bloquear o intercâmbio.

Desejando que seus relacionamentos sejam muito  enriquecedores e cheios de senso de humor,
Um forte abraço.

sábado, 24 de novembro de 2012

MANTENDO ABERTAS AS LINHAS DE COMUNICAÇÃO


Comunicação é a palavra que melhor descreve o momento em que duas pessoas se tocam e se compreendem verdadeiramente. Apesar do enorme volume de sinais, verbais e não-verbais, que enviamos e recebemos, dentro de cada relacionamento significativo, apenas uma pequena porcentagem deles chega a ser reconhecida.
A razão da comunicação defeituosa é que nós codificamos nossas mensagens e filtramos as mensagens dos outros através das nossas necessidades, preocupações e preconceitos do momento. Supomos que estamos sendo compreendidos e que compreendemos.
Há dois aspectos neste processo: falar com franqueza e ouvir. Franqueza não é fácil; ouvir ainda é mais difícil!
Toda mensagem que vem em sua direção deve passar pelo seu filtro, que pode estar entupido com outras preocupações, pressões ou esgotamento. Portanto, decida entender realmente o que está acontecendo com as pessoas ao seu redor, e resolva sintonizar-se às mensagens. Ouvir distraidamente não resolve.
Há pelo menos quatro padrões comuns de comunicação que acontecem quando a pessoa está reagindo sob tensão ou conflito, os quais são:
1º) Apaziguamento = sempre tentando agradar, nunca discordando, fazendo todo o possível para evitar que o outro fique zangado ou a rejeite.
2º) Acusação = a outra pessoa é sempre a culpada. O acusador age de maneira superior para que os outros pensem que ele é forte.
3º) Computação = age sempre com a cabeça. Age meticulosa e racionalmente; não demonstra nunca emoção e tenta impressionar os outros com a sua inteligência.
4º) Distração = afasta-se numa direção que não tem nada a ver com o caso; jamais enfrenta o problema ameaçador.
Qualquer um destes quatro padrões pode acontecer quando a pessoa sente a ameaça da rejeição ou tenta encobrir o que considera uma fraqueza.
Uma pessoa precisa de auto aceitação genuína, antes de realmente ter segurança para se abrir com os outros. Em Cristo, Deus nos aceita e nos liberta para aceitarmos a nós mesmos e aos outros.
A fim de melhorar sua comunicação, observe algumas dicas:
ü  Pratique enviar mensagens claras e simples que representem sua posição naquele momento.
ü  Quando não entender o que o outro está realmente dizendo, pergunte. Peça à pessoa, com espírito de aceitação, que lhe explique o que quis dizer.
ü  Examine os sinais que a pessoa envia (gestos, expressões faciais e tom de voz).
Na próxima postagem falaremos sobre os erros comuns que geralmente impedem o processo de comunicação. Não perca!
Tenha uma semana abençoada e rica em suas comunicações.

Por favor, antes de sair, deixe o seu comentário. Muito obrigada.

sábado, 17 de novembro de 2012

Enfrentando Conflitos


Há diversos passos importantes que devemos considerar quando enfrentamos um conflito.

1º) Pergunte a si mesmo se a ira ou qualquer outra mensagem negativa que está recebendo destina-se a você ou à outra pessoa. A maneira pela qual interpretamos uma experiência determina nossa reação para com ela. Se o marido chega em casa e grita com você e você toma seus gritos como ira não justificada para com você, não tem como não ficar ressentida com ele. Mas se você souber que o patrão gritou com ele o dia inteiro e teve de aguentar a chateação de dois ou três clientes. Se você reconhecer que aqueles gritos são destinados a eles e não a você, sem dúvida, será mais fácil manter-se calma e não receber a reação dele como afronta pessoal. Sendo assim, você tem que descobrir a verdade sobre o que o outro vivenciou antes de começar uma guerra. Você pode começar perguntando: Há alguma coisa sobre a qual precisamos conversar? É realmente espantoso quantas cenas poderiam ser evitadas mediante uma conversa calma e sincera para descobrir o que está acontecendo com o outro. A chave está em usar a cabeça antes de usar a boca, e, se usar a boca, que seja com calma e pacificamente. A Bíblia ensina: “A palavra dura suscita a ira, mas a palavra branda desvia o furor.” Provérbios 15.1.

2º) Examine-se para ver se o problema é você mesmo. Temos a tendência de supor certas coisas a respeito dos outros e por isso esperamos que ajam de acordo com nossas suposições. Traçamos quadros mentais do que desejamos ou precisamos que os outros sejam e geralmente insistimos em que se ajustem às nossas expectativas. O problema surge quando tornamos a outra pessoa responsável pelas nossas ilusões e frustrações. Não aprisione a outra pessoa às suas expectativas. Antes, permaneça aberto à sua auto revelação a fim de desenvolver um relacionamento com a pessoa “real” e não com a imagem em sua mente. Quando olhamos os álbuns de família, logo percebemos as mudanças físicas. Devemos aprender a aceitar da mesma forma as mudanças dos outros em todos os outros aspectos. Deixar a pessoa avançar pode ser doloroso, mas no fim será infinitamente mais emocionante e criativo. Pergunte-se permanentemente: Estou pronto a aceitar a outra pessoa como é em lugar de minhas próprias expectativas? Dou-lhe liberdade de ser ela mesma, ou exijo que haja de acordo com a imagem que eu fiz dela? Resista ao desejo de “reformar” a outra pessoa. Isso é um erro grave. Deus nos criou originais e Ele tem o propósito de abençoar e enriquecer outras pessoas através do desenvolvimento de nossos talentos e oportunidades.

3º) Não se torne prisioneiro(a) de uma atitude crítica. Quando você cede a um espírito crítico, não pode lidar de maneira realista com sua vida e emoções e nem ver com clareza as outras pessoas. As atitudes críticas envenenam os relacionamentos e nos afastam de todos, inclusive de nós mesmos. Jesus ensinou: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida com que tiverdes medido vos medirão também. Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, mas não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e então verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.” (Mateus 7.1-5). Recebemos o que damos. Se ao menos pudéssemos entender a outra pessoa sem exigir perfeição, teríamos menos motivos para ser tão críticos ao seu respeito. A compreensão não nos capacitará a encontrar gente boa, muito menos perfeita, porque todos nós partilhamos da mesma doença do egoísmo e do pecado. Entretanto, pode abrir-nos a porta da empatia em lugar do julgamento. Sem a empatia jamais haverá compreensão ou possibilidades de resolver nossos conflitos.

4º) Não se acuse injustamente pelos fracassos que inevitavelmente surgirão. Se você achar que é a causa do conflito num relacionamento, há alguns passos que pode dar: examine suas ações e atitudes; peça ao Senhor que lhe dê uma compreensão mais profunda; procure o conselho de um cristão amigo; admita seu erro à pessoa ofendida. Se, entretanto, o lado ofendido se recusar a permitir que o relacionamento seja restabelecido, depois que você tudo que podia em sã consciência, aceite o conflito como problema dele e prossiga sem carregar um complexo de culpa desnecessário. Prosseguir nem sempre significa fazê-lo fisicamente, mas emocionalmente. Às vezes a outra pessoa não está pronta a resolver a dificuldade, e você tem de lhe dar espaço e tempo emocionais. Neste caso, canalize suas energias e esforços em outra direção e recuse-se a continuar a controvérsia.

Se esforce para captar e compreender, e também praticar as ideias oferecidas aqui. Comece devagar, uma proposta de cada vez, e prossiga até conseguir praticar todas. Às vezes, tentamos agarrar-nos a muitas ideias ao mesmo tempo, sem tentar colocar algumas delas em prática com eficiência.

Tenha uma semana muito abençoada.

sábado, 3 de novembro de 2012

Pondo lenha na fogueira


Em todo relacionamento importante o conflito é inevitável. Quanto mais íntimo o relacionamento, maior a frequência de conflitos. Todos nós temos arestas que machucam os outros ocasionalmente. Todos cometem erros.
Os conflitos surgem porque as pessoas são diferentes no modo de pensar, nos sentimentos, reações, necessidades e expectativas. Portanto, a presença de conflitos não significa, necessariamente, que um ou ambos estejam errados. Ninguém precisa se sentir culpado quando surgirem conflitos.
É importante saber que nem todos os conflitos são maus. O que importa não é se vamos ter um conflito, mas como vamos reagir a ele. Você decide se o desentendimento vai facilitar o crescimento ou a destruição do laço que une você ao outro.
A maioria de nós, provavelmente, não tem consciência de como reagimos diante de um conflito pessoal. Simplesmente seguimos padrões que recebemos de nossos pais-modelos ou de um sistema de tentativas e erros usado através dos anos.
Sendo assim, quanto mais conhecimento temos de nós mesmos e do que estamos fazendo, mais oportunidades temos de vencer (não as pessoas, mas os conflitos).
A seguir, veremos algumas reações típicas que só servem para piorar as coisas num conflito, é claro, com o objetivo de combatê-las e não de reafirmá-las.
1.  Atacar as pessoas em vez de atacar o problema – Ex.: xingar a outra pessoa; lembrar-lhe seus erros do passado (que não têm nada a ver com o assunto atual); desvalorizar o outro comparando-a com outra pessoa (você é exatamente como ... seu pai, sua mãe,...); fazer perguntas sarcásticas (quando é que você vai crescer e se portar como uma adulto?); etc.
2.  Afastar-se da pessoa recusando-se a falar sobre a situação – este é um menosprezo que desperta hostilidade e não resolve o problema. O silêncio pode ferir mais que as palavras. Use-o com sabedoria e sensibilidade, não como arma.
3.  Exagerar também atrapalha bastante a comunicação criativa – Intercalar expressões tais como “nunca” e “sempre" torna o problema maior do que realmente é. “Você nunca faz nada certo” ou “Você sempre estraga tudo” atrai para o relacionamento outros assuntos desagradáveis, reais ou imaginários. Isto é demais para se resolver de uma só vez.
4.  Deixar-se levar pelos sentimentos – Quando pegamos os fatos e acrescentamos nossos próprios sentimentos obtemos resultados devastadores. Fatos mais sentimentos podem provocar graves desastres quando as pessoas envolvidas não estão saudáveis emocionalmente. Esfrie a cabeça antes de debater as idéias.
5.  Auto justificação – É quando a pessoa assume a posição de vítima em lugar de vilão. Isso impede qualquer solução sadia em um conflito. Ponha-se no lugar do outro. Analise o problema “de fora” e honestamente. Assuma seus próprios erros antes de apontar os erros alheios.
6.  Auto piedade – Isso põe lenha na fogueira do conflito para ambos, tanto para quem a expressa como para o outro que a enfrenta. Sentir pena de si mesmo realmente não ajuda. A auto piedade é como areia movediça – quanto mais nos revolvemos nela, mais nos afundamos e mais nos afastamos de qualquer ajuda ou cura real.
Concluímos que, quanto mais egoístas são nossas atitudes e interesses num relacionamento, mais combustível temos para destruir-nos mutuamente.
Deus nos deu sabedoria de sermos sensíveis para com os outros e a coragem para mudarmos nossas próprias reações destrutivas.
Você só é escravo das circunstâncias quando se permite sê-lo. Seja dono de si mesmo, e tenha atitudes sensíveis e inteligentes, ataque o problema e não as pessoas.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Relacionamentos Criativos Não Acontecem Por Acaso - Parte 2

Recomendo que você leia a parte 1 deste título.
Continuação...

3) Ouvir o outro - A experiência demonstra que, se alguém nos dá atenção, sentimo-nos pessoas de valor. Quando você escuta alguém, está lhe dizendo: "Você é importante!" Deixar de ouvi-lo transmite o oposto.
Talvez as pessoas que mais frequentemente deixamos de ouvir são os nossos filhos. Acostumamos tanto a fazer tudo por eles que, sem perceber, assumimos a responsabilidade de pensar por eles também. Achamos que sabemos o que estão sentindo, sem ouvi-los, só porque sabemos o que nós sentimos por eles. Mas eles não são uma extensão da nossa pessoa. Eles também são milagres de Deus especiais e irrepetíveis, que devem seguir seu próprio destino, com ou sem a nossa ajuda.
Quando você ama realmente, deseja ouvir a pessoa amada.
É ainda mais difícil ser ouvinte em nossos relacionamentos menos íntimos. Podemos nos envolver tanto, tentando resolver os problemas de todo mundo, que mal deixamos que o outro termine de falar para lhe dar uma "resposta" ou sugerir uma "solução".
Como povo de Deus, precisamos aprender que Ele é a resposta para nós em Cristo, e o Seu propósito  é encarnar esta resposta através de nós. Significa que nós somos a Sua boca, mas também somos os Seus ouvidos. A humanidade precisa tremendamente de saber que Deus a ouve. E a maneira de Deus realizar isso é através de Seu povo, quando eu e você tomamos parte com Ele nesse "OUVIR".

4) Afirmação - Além de ser ouvido, todo ser humano precisa de afirmação. É um erro trágico em seus relacionamentos você só focalizar os problemas das pessoas. Fazendo assim, estará declarando indiretamente que elas são pessoas "desajustadas". A maioria das pessoas já carrega dentro de si o sentimento de desajustamento e, às vezes, age de acordo. Portanto, ter o seu valor reconhecido e "afirmado" é extremamente importante na formação de sua integridade. O reconhecimento positivo dos outros é necessário em qualquer nível de interação.
Às vezes uma pessoa pode possuir tão grandes sentimentos negativos sobre si mesma, que não consegue reagir positivamente às afirmações dos outros. Serão necessárias atitudes mais fortes para romper um cerco tão negativo.
Se, consciente ou inconscientemente, nos envolvermos tanto com a agitação do cotidiano a ponto de perdermos de vista o significado e o valor das pessoas que nos cercam, o resultado será destruidor. No fim, ficaremos sozinhos.
A afirmação liberta as pessoas para uma satisfação sobre si mesmas e dos outros, como ninguém mais o fará.

(Continua...)


Tenha uma semana muito abençoada, e não esqueça de praticar o que estamos aprendendo.

PS.: Se você tem sido edificado(a) com as mensagens deste blog, compartilhe com seus amigos nas redes sociais e convide-os a serem também edificados. Muito grata: Raquel Roque.


segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Relacionamentos Criativos Não Acontecem Por Acaso

Esta além de nossas forças mudar outras pessoas. Podemos exercer grande influência por meio de nossos atos e atitudes, mas a autonomia de cada um garante a liberdade de agir diante de si mesmo e da vida como bem preferir. Esta capacidade de auto orientação é um dos grandes presentes de Deus ao ser humano. Proporciona, não só oportunidades incríveis, mas também uma responsabilidade muito séria.
Num sentido real, somos o que escolhemos ser! Há experiências que nos impulsionam em direções autodestruidoras. Elas, porém, não determinam por si mesmas o que havemos de ser. Se preferirmos ser levados ao léu das circunstâncias, seremos moldados por elas.
Mas dentro de cada um de nós temos o potencial de nadar contra a correnteza e de chegar a ser mais do que o resultado do ambiente.
O maior perigo ao renunciar nossa própria autonomia é que ficamos totalmente dependentes dos outros para o nosso bem estar. E nos tornamos suscetíveis aos resultados de qualquer imaturidade emocional que eles possuam.
O objetivo nos relacionamentos humanos não é dependência ou independência, mas interdependência.
Vejamos alguns dos objetivos no desenvolvimento de relacionamentos significativos:

    1) Respeito mútuo – É doloroso quando somos tratados com desrespeito; não obstante, podemos deixar de respeitar outra pessoa sem percebermos. Quando os preconceitos são nossos, parecem normais e justificáveis. Mas que estamos do lado oposto, parece muito desconfortável. A perda do respeito mútuo tem desfeito muitíssimos relacionamentos. Como é fácil perder de vista a beleza das diferenças que víamos antes!
Todos nós temos sensibilidades e preferências pessoais que são uma parte válida do ser humano. Mas medir o valor de outra pessoa com base em nossa própria predileção pode nos empobrecer, porque nos priva da possibilidade de relacionamento significativos com aquele segmento da humanidade que difere de nós.
Muitos descobrem meios de levantar muros ao seu redor ou à volta de seu grupo, para manter fora aqueles que não estão “dentro”. Estar “dentro” transforma-se num sinal de distinção e superioridade. Este sistema social separativo transgride uma premissa básica da fé cristã: “... não tenhais fé em nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor da glória, em acepção de pessoas.” (Tiago 2.1). “Pois Deus não tem favoritos.” (Romanos 2.11, Bíblia NIV). “Ora atualmente vós tendes fé em Cristo, sois todos filhos de Deus... Acabaram as diferenças entre judeus e gregos, escravos e livres, machos e fêmeas! Sois um só em Cristo Jesus.” (Gálatas 3.26,28, Bíblia Phillips).
Mesmo fora da fé cristã, essa tendência bloqueia qualquer possibilidade de um relacionamento sadio.  
O evangelho ensina enfaticamente que só quando atendemos às necessidades dos outros podemos ver resolvidas as nossas próprias.
    
    2) Despertar o que há de bom no outro - Isso também desperta o que há de melhor em nós mesmos. As reações que provocamos naqueles com quem lidamos, encorajam ou desanimam o desenvolvimento de sua personalidade. É incrível quanta energia negativa bombardeia a maioria das pessoas no decorrer de um simples dia. Um dia de observações depreciativas afeta profundamente o mais forte dos homens.
Mas não adianta ficarmos com pena de nós mesmos por causa da carga negativa que recebemos. Precisamos assumir um  compromisso conosco e com os outros de que a convicção básica de nossa vida será que todos são importantes. Pensar em nós mesmos e nos outros como “milagres de Deus, especiais e irrepetíveis” estabelece um fundamento sólido, a partir do qual despertamos o potencial maravilhoso dos outros.

(continua)

Pense nisso e descubra o maravilhoso mundo de possibilidades que Deus colocou ao seu lado.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

SORVENDO O VENENO

Num momento do dia, você recebe um elogio pelo seu trabalho, que lhe deixa animado.
Quanto tempo você sorverá a sorridente palavra de apreço?
Acontece também de, no mesmo dia ou em outro, você receber uma crítica ou uma reprovação.
Quanto tempo a palavra, como se fosse um veneno, circulará por suas veias?
Assim como temos a tendência em ver um minúsculo borrão de massa de tomate na roupa branca e ignorar toda a extensão da roupa intocada, incomodamo-nos com a palavra negativa.
Fazemos um esforço intelectual para analisar a crítica.
Se a consideramos justa, duvidamos da intenção de quem a fez.
Se a consideramos injusta, lamentamos ter sido escolhidos como alvo de quem a proferiu.
Por que, ao contrário, não seguimos em frente?
O roteiro da razão é simples:

  • se a crítica não procede, não devemos nos importar com ela;
  • se procede, devemos agradecer por ela.
No entanto, não é assim que o nosso coração se comporta.
Então: não custa repetir o ideal, nestes casos.
Devemos saber que a crítica sempre nos alcançará.
Não devemos nos concentrar em quem nos atingiu com ela.
Devemos nos recolher por um tempo para ver como faremos melhor o que estamos fazendo. Nesta tarefa, a crítica é uma aliada de grande valor, embora pareça inimiga.


Texto do pastor Israel Belo de Azevedo.


Leia, reflita e se puder, deixe sua opinião.


quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Ser uma pessoa melhor



De: Raquel Roque

Ser uma pessoa melhor

Se você é doce, tempere com um pouco de sal;
Se você é educado, faça mais, seja gentil.
Educação é a base do seu perfil
E gentileza faz mais do que ser legal.

Aquilo que você faz por obrigação
Tente fazer agora com prazer
E quando não tiver o que dizer
Fale com as palavras do coração.

Quando a vida lhe der tristeza,
Chore escondido e, às claras, sorria.
Mostre ao mundo a sua alegria,
Reaja e construa uma fortaleza.

Ao deitar-se, medite sobre a vida,
Sobre o que você fez de pior,
Sobre uma resposta melhor,
Deite bálsamo sobre a ferida.

Perdoe e sinta-se perdoado
Não guarde mágoa jamais
Pois o estrago que ela lhe faz
Não vale o preço a ser pago

Em Deus ponha sua confiança
E nunca olhe para traz.
Nele encontre a verdadeira paz,
Força, amor e perseverança

Dedique seus dons para o bem,
Seus talentos e sua mente
Use sábia e generosamente.
Daquilo que se pede, faça além.

Não economize seu suor
Na busca da perfeição.
E ouça mais seu coração
Pra ser uma pessoa melhor.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Como você reage diante do conflito ?


“A vida é como andar na neve – todos os passos deixam sinais.” (Jess Lair)

Todos nós gostaríamos de nos livrar dos nossos problemas, ou, melhor ainda, nunca tê-los. Infelizmente, um dia a vida sai do seu controle e você se pergunta: “Por que isso está acontecendo comigo ?!”
A maneira pela qual você reage diante das crises, ou vai descortinar novas dimensões de crescimento, ou vai sufocar cada grama de sua energia.
Você precisa descobrir como sobreviver corajosa e criativamente às crises que eventualmente surgem.
Definimos “crise” como “algo que exige mudanças”. Quanto mais radical a mudança, tanto mais intensa a experiência e maior o seu crescimento emocional e espiritual.
Nossas reações são variadas. Podemos destacar algumas mais comuns.
  1. Simplesmente negar que o problema exista e fingir que tudo vai bem. Isso dura pouco, seu efeito é superficial e efêmero. Temos a tendência de esquecer que o sinal da verdadeira força está na capacidade de se admitir fraqueza. Admitir a própria fraqueza gera forças antes subestimadas e/ou camufladas em nosso íntimo.
  2. Jogar a culpa do problema sobre outra pessoa. Adão e Eva desobedeceram a Deus. Depois disso, esconderam-se. Todavia, por mais que você se esforce, há duas pessoas que não pode evitar para sempre – Deus e você mesmo. Quantas vezes você já tentou cobrir suas pegadas, esconder-se porque também sentiu medo, culpa e vergonha? A única saída é procurar, além de si mesmo, o perdão de Deus, o qual está à sua disposição através de Jesus. Culpar os outros é improdutivo e bloqueia qualquer alternativa de crescimento. Você tem que assumir a “sua” parte, não o todo, pois isso também bloqueia. É bom lembrar que ‘um’ fracasso não lhe condena a uma vida de fracassos. Pensar assim envenena o espírito, deprime a mente e gera desespero. Renove o relacionamento com Deus e consigo mesmo através do perdão de ambos, isto é, perdoe-se e receba o perdão de Deus. Ele jamais o negará a você.
  3. Outro mal comum é tentar resolver o conflito superficialmente. Isso enterra o problema, apagando-o da mente. O alívio é apenas temporário. As coisas que enterramos sem estarem mortas, sempre voltam para nos assombrar. Parece universal o fato de estarmos prontos para mudar somente quando nos convencemos de que não há outra saída.
  4. Atacar o problema errado também não resolve. Cada um de nós tem uma lista de problemas sem riscos emocionais e por isso aceitáveis; e outra de problemas perigosos e inaceitáveis. Sempre que um destes problemas perigosos e inaceitáveis começa a aparecer, você fica tentado a substituí-lo por outro mais aceitável, para lutar contra ele. Você gasta energia e não acerta o alvo.
Algumas questões para você pensar, avaliar e responder a si mesmo com toda honestidade:
Você está pronto para identificar suas próprias e fracas reações? Você pode reconhecê-las? Só depois de identificá-las poderá concentrar energia em mudanças sadias dentro de si mesmo.
Você está preparado para pedir o perdão de Deus? É preciso confessar o que você realmente fez, a sua parte na culpa e receber gratuitamente o Seu perdão.
Você consegue perdoar a si mesmo? Tente. Peça ajuda a Deus e decida perdoar-se. É apenas uma questão de decidir, e acontece.
Estes são os passos para manter sua saúde emocional e espiritual diante dos conflitos e crises.

 (continua...)

Semana que vem a gente continua essa reflexão.
Deixe seus comentários.
Tenha uma semana muito abençoada e abençoadora.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

“Exemplos da vida do rei Joás”


"Vendo, pois, Atalia, mãe de Acazias, que seu filho era morto, levantou-se e destruiu toda a descendência real da casa de Judá. Porém Jeosabeate, filha do rei, tomou a Joás, filho de Acazias, furtando-o dentre os filhos do rei, aos quais matavam, e o pôs com sua ama na câmara dos leitos; assim Jeosabeate, filha do rei Jeorão, mulher do sacerdote Joiada, o escondeu de Atalia, de modo que ela não o matou. E esteve com eles seis anos escondido na casa de Deus; e Atalia reinou sobre a terra."
II Crônicas 22.10-12

Lições Espirituais:

1) Salvo da morte quando criança – Acazias, o rei foi morto. Atalia, sua mãe, tenta usurpar o trono e mata toda descendência real. Mas Deus usou Jeosabeate, filha do rei e esposa do sacerdote Joiada, escondeu Joás e sua ama numa câmara interior do templo, salvando sua vida.
· Você também faz parte dos planos de Deus para o futuro. Por isso, satanás tentou matar você, desde sua infância, porque teve medo do seu potencial. Ex(s).: satanás tentou matar Moisés, José e Jesus, pois sabia que eles faziam parte dos planos divinos. Ele não pode adivinhar, mas faz uma idéia do estrago que você poderá fazer em seu reino. Por isso, ele quer vê-lo morto.
· Você também foi salvo com um propósito – Deus escolheu você para ser uma autoridade espiritual. Você deve buscar de Deus quais planos Ele tem para sua vida e se preparar para eles.

2) Deus supriu as necessidades de Joás – foi criado por sua ama e o casal de sacerdotes.
· Deus sempre supre suas necessidades de alimento, vestuário, moradia e também de afeto e cuidado. Ele sempre levanta alguém para cuidar de você. Ex.: Ele deu uma vida de príncipe para Moisés, mas proveu que sua mãe o amamentasse e cuidasse enquanto necessário.
· Deus usou um casal de sacerdotes e também uma ama – Não importa a sua posição social, espiritual ou financeira, Deus quer usar a sua vida para cumprir os Seus planos. Ele pode usar você para esconder, sustentar, criar e treinar pessoas que Ele escolheu para cumprir os Seus planos. Você não sabe o que Deus tem preparado para seus filhos ou para as crianças que você conhece. Então, doe-se a eles para criá-los, ensiná-los, abençoá-los. Deus quer usar a sua vida para abençoar a vida de outrem.

3) Deus escondeu Joás durante 6 anos – ele tinha um ano quando foi salvo e começou a reinar com 7 anos.
· Deus tem um tempo para o seu preparo. O tempo de preparo é importante e não deve ser desperdiçado ou negligenciado.
· Ele não vai expor você antes que esteja pronto. Então, não queime as etapas !!!
· Deus trabalha preparando tudo para o seu tempo de atuar. Ex.: Deus enviou Jesus “na plenitude dos tempos” = no tempo exato. Quem se adianta pode por tudo a perder.

4) Atalia, a rainha usurpadora e má, teve um tempo de reinado, mas tudo estava sob o controle de Deus.
· Satanás pode ter um tempo de atuação, pode galgar tronos, pode até achar que está no controle, mas toda autoridade e controle estão nas mãos de Deus, e ele só pode ir até onde Deus lhe permitir. Sua ruína será iminente e Deus tomará dele o poder e o dará a você. Você está pronto?
· Satanás só atua onde e enquanto não há pessoas preparadas para atuar. Se você nunca estiver pronto, mais espaço e tempo estará lhe dando para reinar.

5) Deus escondeu Joás no templo
· Não há melhor lugar para se estar do que na presença de Deus.
· Não há lugar mais seguro do que na presença de Deus - Salmo 91.1 – “Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, a sombra do Onipotente descansará.”
· Não há melhor lugar para ser treinado do que na Casa de Deus – Salmo 11.1-4.
· Não importa onde você se esconda, Deus vai achar você. Não importa onde você se esconda, Deus estará com você – Salmo 139.7-12.
· Aproveite bem o tempo de esconderijo e treinamento, porque haverá dias em que você não estará mais lá, e vai sentir falta. Haverá dias em que estará fora e vai precisar de tudo que aprendeu dentro da casa de Deus.
· Se a sua casa é um templo, Deus poderá usá-la para treinar seus escolhidos – Ex.: a casa de Ninfa – Col. 4.15 (era uma célula); Áquila e Priscila – I Co. 16.19b (era uma célula) – lá eles discipularam Apolo.

6) Deus usou o casal de sacerdotes para salvar, esconder, criar, educar e preparar Joás para se tornar rei e ele soube honrá-los até certo ponto – depois da morte de Joiada, o sacerdote, Joás se esqueceu de todo bem que lhe fez e lhe ensinou – II Cr. 24.15-25.
·  Saiba honrar e obedecer a todas as autoridades constituídas por Deus sobre sua vida. O protocolo produz honra.
· Jamais se esqueça dos ensinamentos que recebeu na Casa de Deus.
· “Deus o verá e o retribuirá” – II Cr. 24.22b – Deus não deixará impune aquele que não honrar seus líderes espirituais. A ingratidão é algo que fere o coração de Deus.

7) Joás só andou corretamente enquanto Joiada estava vivo – Com a morte do sacerdote, ele se desviou, tomou conselho com pessoas erradas e fez tudo errado, sendo cobrado por Deus e encerrando seu reinado rapidamente.
· Não dependa de líderes espirituais a vida toda. Cresça espiritualmente, amadureça e aprenda a ordenar sua vida por si mesmo. Você pode até pedir algum conselho em situações difíceis, mas saiba se comportar como Deus deseja perto ou longe de Suas autoridades.
· Quando estiver sozinho, pratique tudo que aprendeu na casa de Deus – este é o segredo do sucesso permanente.
· Não se afaste de Deus. Só Ele o manterá em destaque e honra. Aquele que se afasta de Deus, perde a proteção divina, entrega sua vida, sua casa e “seu trono” (sua autoridade) ao diabo, dá-lhe oportunidade de agir e comandar, e perde todas as bençãos já adquiridas.

PENSE NISSO...

Um grande abraço e uma semana muito abençoada.
E não esqueça de deixar o seu comentário. Obrigada.

terça-feira, 17 de julho de 2012

QUANDO DEUS RI PARA VOCÊ


Você pode achar estranho este título, mas isso acontece. Quando você dá prazer a Deus com seu modo de viver, Ele sorri para você. Sua adoração deve ser tão sincera diante Dele que O encha de alegria ao olhar para você. Então, talvez você me pergunte: Como posso fazer Deus sorrir para mim ? Siga o meu raciocínio:
Para você entender melhor o que se segue, proponho que você leia a história de Noé e o dilúvio na Bíblia, a qual se encontra no livro de Gênesis, capítulos 6, 7 e 8.

1)   Deus sorri para você quando você O ama acima de qualquer coisa. Lembra de Noé ? A Bíblia diz que quando ninguém mais amava a Deus, Noé O amava acima de qualquer coisa (Gênesis 6.9). Aí está a maior verdade do universo, e a mais simples, porém a mais negligenciada: “O que Deus mais quer do ser humano é um relacionamento com ele. Isso mesmo ! Ele não quer riquezas, templos suntuosos, etc. Deus só quer relacionar-se com você. Ele sente prazer em ter um relacionamento sadio com seus filhos. Quando deixamos de priorizar este relacionamento acima de qualquer coisa, estamos cometendo idolatria e, com isso, desagradando o coração de Deus.

2) Deus sorri quando confiamos Nele completamente. No livro aos Hebreus 11.7 vemos que Noé agradou a Deus porque confiou completamente Nele. Ele se tornou amigo íntimo de Deus por causa disso (Salmo 147.11). Mas o que significa confiar completamente em Deus ? Significa crer que Ele sabe o que é melhor para sua vida. Você não sabe o que é melhor para si mesmo, mas Deus com certeza sabe. Também significa crer que todas as coisas estão sob o controle de Deus para sua felicidade e crescimento espiritual. É crer que “todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus” (Romanos 8.28). E, se você crê assim, isso agrada a Deus e Ele sorri para você.

3) Deus sorri para você quando você O obedece incondicionalmente. Salvar tantos animais de uma inundação como o dilúvio não foi fácil para Noé. Muito menos pregar a vinda do dilúvio, visto que até então não havia chuva sobre a terra. Mas Noé decidiu obedecer. Ele fez tudo exatamente como Deus lhe havia ordenado. Isso encheu o coração de Deus de alegria.

4)  4) Deus sorri para você quando você O louva e dá-Lhe graças continuamente. Deus gosta de receber elogios sinceros de seus servos. A vida de Noé agradou a Deus porque ele também viveu com um coração cheio de louvores e ações de graças ao seu Criador. A primeira coisa que Noé fez ao descer da arca foi levantar um altar e cultuar a Deus. Você também deve louvar a Deus por quem você é e agradecer-Lhe por tudo que Ele tem feito. Isso vai agradá-Lo e Ele vai sorrir para você.

5) Deus sorri para você quando você usa suas habilidades. Depois do dilúvio Deus falou a Noé que poderia “tocar pra frente” a sua vida. Ele deveria repovoar a terra. Ele deveria cuidar de sua própria vida, usando suas habilidades naturais para adquirir o sustento de sua família, garantindo assim a perpetuação da raça humana. Noé também usou suas habilidades para construir a arca. Isso agradou muito ao Senhor, que sorriu para ele e o abençoou grandemente. Você também deve usar suas habilidades para abençoar sua família e muitos outros. talvez Deus possa usá-lo para salvar vidas como Noé.

Pense nisso e faça Deus sorrir para você.

Um forte abraço, e não se esqueça de deixar seu comentário e convidar seus amigos para nos visitar. Obrigada.

terça-feira, 3 de julho de 2012

Promessa


"Porém, o Senhor não quis destruir Judá por amor de Davi, seu servo, segundo a promessa que lhe havia feito de lhe dar sempre uma lâmpada e a seus filhos." II Reis 8.19

Eu aprendo neste texto:

1) Tudo que somos, temos e recebemos depende primeiramente do amor de Deus para conosco - Quando Lázaro adoeceu, mandaram  dizer a Jesus: "...está enfermo aquele a quem amas." (João 11.3). Tudo depende do amor de para conosco, e não do nosso amor para com Deus, pois somos falhos e imperfeitos, assim como nosso amor. Então, invoque o amor de Deus e receba-o.

2) O amor de Deus é individual e intransferível. Só você pode senti-lo porque Ele se relaciona com você individualmente - Deus sabe o nome, o endereço e o alvo do Seu amor - VOCÊ ! No texto supracitado o alvo era o Seu servo Davi. Saiba que Deus já conhecia você pelo seu nome desde antes de você nascer. Isaías 49.1 diz: "O Senhor me chamou desde o ventre, desde as entranhas de minha mãe fez menção do meu nome."


3) Deus se agrada daqueles que O servem, e Ele os abençoe - Leia o Salmo 147. Deus faz grandes promessas aos seus servos fiéis, pois agrada deles.


4) As promessas do Senhor são para aqueles que O temem - Salmo 119.38 diz: "Confirma a Tua palavra ao Teu servo, que é dedicado ao Teu temor."


5) As promessas de Deus atingem também aos descendentes dos Seus servos - seus filhos e netos são abençoados. Isaías 44.1-3 diz: "Agora, pois, ouve, ó Jacó, servo meu, e tu, ó Israel, a quem escolhi. Assim diz o Senhor que te criou e te formou desde o ventre, e que te ajudará: Não temas, ó Jacó, servo meu, e tu, Jesurum, a quem escolhi. Porque derramarei água sobre o sedento, e rios sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade e a minha bênção sobre os teus descendentes." Experimente repetir em voz alta a leitura deste texto e ponha o seu nome no lugar dos sublinhados, porque esta promessa também é para você. No caso de Davi, Deus lhe prometeu uma dinastia (leia Salmo 132.17 e I Reis 11.36), a qual se cumpriu em Jesus (leia Lucas 1.32,33).

6) Uma cidade, um reino, uma nação ou uma família, pode ser livre de ser destruída por causa da fidelidade de Deus a um servo Seu, e às promessas feitas a ele - No texto inicial, Judá deixou de receber o juízo de Deus por causa da promessa divina a Davi - "Mas no Senhor será justificada, e se glorificará toda descendência de Israel." (Isaías 45.25).


Então, amado(a) leitor(a), tome posse de todas as promessas de Deus que estão na Sua Palavra e garanta a Sua benção sobre a toda sua posteridade.


 Um forte abraço. E não esqueça de deixar o seu comentário.
Obrigada.



quinta-feira, 21 de junho de 2012

Tempos Difíceis

“Todos passam por tempos difíceis. Não há nada do que se envergonhar. Algumas vezes nossas orações nos ajudam a evitá-los. Outras não. O mais importante é a nossa atitude quando os enfrentamos. Se ficarmos cheios de ira e amargura, ou insistirmos em nos queixar e culpar a Deus, as coisas quase sempre acabam mal. Se os atravessarmos com ações de graças e louvor a Deus, Ele nos promete coisas boas apesar dos problemas. O Senhor diz: “Tende por motivo de toda alegria o passardes por várias provações, sabendo que a provação da vossa fé, uma vez confirmada, produz perseverança.” (Tg. 1.2,3).
As orações durante as crises podem não mudar algumas circunstâncias pelas quais temos de passar. Afinal de contas, se nunca sofrêssemos nada, que tipo de pessoa superficial, sem compaixão e impaciente seríamos ? Mas a oração pode nos ajudar a manter uma perspectiva positiva de gratidão, esperança, paciência e paz em meio às dificuldades e impedir que recebamos as consequências por uma reação negativa.
Quer tenhamos ou não disposição para isso, quando servimos a Deus, o Seu amor está presente em cada momento da nossa vida – mesmo nos mais difíceis, solitários, dolorosos e desesperados. Ele está sempre ali em nosso meio, trabalhando as coisas para o bem, quando oramos e esperamos isso Dele. “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito.” (Rm. 8.28). Seu propósito para as nossas provações é quase sempre levar-nos à Sua presença, com toda humildade, a fim de experimentarmos um quebrantamento em nosso “eu” interior independente, auto-suficiente, e fazer de nós pessoas compassivas, pacientes, espiritualmente fortes, que glorificam a Deus. Ele usa estas situações para ensinar-nos a confiar em Seu amor e cuidado para fazer-nos atravessar os tempos difíceis.
Não consigo lembrar de nenhuma provação que não me fizesse crescer mais nas coisas de Deus, apesar de ter sido terrível suportá-la na ocasião e de não saber onde tudo ia acabar. Mas, à medida que orava, descobri a minha fé crescendo e meu andar com Deus se firmando.
Se você estiver passando um período difícil, leve-o a Deus em oração, e não tente carregar sozinho seu fardo. Deus não quer que você faça o trabalho Dele. Ele não quer que você tente ser o Espírito Santo.
Quando você se sentir esmagado sob o peso dos problemas financeiros, doença, incapacitação, perda do emprego, problemas no relacionamento com os filhos, conflito conjugal, catástrofes em casa ou relacionamentos tensos, convide o Espírito Santo a mudar as circunstâncias e transformá-las. Nosso sofrimento é praticamente mínimo em comparação com a glória que Deus opera em nós, se reagirmos corretamente ao conflito: “Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não são para comparar com a glória que será revelada em nós.” (Rm. 8.18). Encoraje-se a dizer: “Tudo posso naquele (Cristo) que me fortalece.” (Fp. 4.13).
Ore para que o que você está vivenciando lhe achegue mais a Deus, e saiba que nada poderá separar você do amor do Senhor – nem o que está acontecendo agora, nem o que irá acontecer no futuro. “Porque estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas do presente, nem do porvir, nem poderes, nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.” (Rm. 8.38,39). Se nada pode separar você do amor de Deus, então não importa a seriedade do problema, você sempre terá esperança.
As provações podem ser um fogo depurador e uma água purificadora. Você não quer se queimar ou se afogar, nem Deus quer isso; mas Ele quer que você seja aperfeiçoado e renovado. Deus nos prometeu que “em todas as coisas, somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou” (Rm. 8.37). “Aquele, pois, que perseverar até o fim, esse será salvo.” (Mt. 24.13).
“Sua determinação em permanecer firme na fé e esperar em Deus, confiando que Ele responderá às suas orações, é que irá salvá-lo de se queimar neste fogo e fará você flutuar sobre as águas turbulentas.”

(Texto adaptado do livro “O Poder da Esposa que Ora”, de Stormie Omartian – Ed. Mundo Cristão)

Um abraço.
E não deixe de fazer o seu comentário. Obrigada.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

AGRADECIDA


Sozinha, mas não solitária.
Dolorida, mas não prostrada.
Questionada, mas não ofendida.
Distante, mas não esquecida.
Sofrível, mas ensinável;
Mente aberta para o novo,
Ou para a velha lição ainda não esgotada.
Consciente, mas não assustada.
Submissa, mas não conformada.
Tensa, mas sem cara azeda,
Palavras azedas ou coração amargo.
Com dor, mas com um sorriso nos lábios.
Fraca, mas não inerte.
Triste, mas não abalada.
Incompreendida e julgada,
Mas não devedora ou com síndrome de culpa.
Abalada, mas esperançosa.
Confusa, mas sem mais perguntas.
Sensível, mas não vulnerável.
Lutando, mas descansada em fé.
Frustrada, mas não desanimada.
Sem planos, mas com perspectivas.
Sem condições, mas sem desânimo.
Sem ilusões, mas alimentando os sonhos.
Sem alvos a longo prazo,
Mas vivendo um passo a cada dia.
Sem muito olhar para o futuro distante,
Mas sem mágoas ou dívidas com o passado,
Apenas rendida ao dia presente,
Aberta a todo potencial latente.
Esperando há muito tempo,
Mas não impaciente.
Sossegada, mas não sem lutar,
Sem baixar a guarda, sem embainhar a espada,
Sem passar a bola, sem por a culpa em outrem.
Enferma, mas não morta.
Pronta pra morrer, mas sem desgostar da vida.
Quase sem forças pra lutar,
Mas alimentando a fé com a Palavra.
Sem chance pra vencer,
Mas com certeza de vitória através de Cristo.
Passando pelo vale das sombras,
Mas sem medo do escuro,
Empunhando o farol da verdade.
E, apesar de tudo isso,
Mantendo-me agradecida.

De Raquel Roque para todos os que
estão passando por provações,
mas não desistem nunca.

Um grande abraço a todos. E não deixem de deixar seu comentário.