Obrigada.

Bem vindo(a)! Que você seja edificado(a) com as mensagens! Volte sempre!

sábado, 11 de outubro de 2014

MUDANÇA DE HÁBITOS



Mudança de hábitos é a mais difícil das mudanças.
Num ambiente de trabalho, regado a pizzas gigantes uma vez por semana, um dos colegas fez uma proposta bem-intencionada: pagar sozinho a pizza toda vez que se completasse uma semana sem palavrões, a moeda mais comum na sala. Não funcionou e o valor da pizza teve mesmo que ser rateado. O grupo aceitou a proposta, mas fracassou. Os palavrões continuaram a dominar o recinto.
Mudança de hábitos envolve nosso cérebro e também nosso caráter. Mas, em alguns casos, vai além disso. Alguns hábitos atraem espíritos malignos que nos dominam, como no exemplo dos palavrões. E a pessoa não consegue se livrar sozinha. Ela precisa da ajuda do Espírito Santo. Na linguagem bíblica, isso exige conversão.
Converter-se significa mudar de direção. E é exatamente isso que acontece quando alguém recebe Jesus em seu coração como Senhor e Salvador. A Bíblia diz que, no momento da conversão, o Espírito Santo passa a habitar na pessoa e se torna seu Guia Interior. Desta forma, Ele fala com ela toda vez que está prestes a fazer ou falar algo que desagrade a Deus. Ele é um aliado contra todos os vícios e maus hábitos. Confie Nele... E se converta.
Somente com o Espírito Santo dentro de você a mudança de hábitos fica mais fácil. Experimente!

Pense nisso!


Visite minha página no Facebook: Raquel Roque. E conheça meus blogs:
www.bonnevievie.blogspot.com.br

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

ADORADORES SOLITÁRIOS



Não é difícil perceber porque muitos do povo de Cristo hoje são crentes solitários no meio da multidão reunida na igreja. Eles se alegram quando o templo está repleto de pessoas, mas ficam perturbados se percebem que nada existe na igreja, exceto uma multidão barulhenta. Estão propensos a questionar, com admiração, se, afinal de contas, cem adoradores ou mesmo vinte e cinco não é preferível a uma multidão irreverente. Isto não deve ser confundido com uma mentalidade de pequeno rebanho. Não aplaudimos a teoria de que as igrejas devem sempre ser pequenas. Pelo contrário, em nossa opinião elas devem ser grandes. Pensamos que igrejas com mil membros não são grandes demais. Desejamos que nosso país se encha desse tipo de igrejas.
No entanto, ter muitos membros apenas por amor a números em geral é uma traição a Cristo. A liderança abaixa os padrões de santidade para atrair grande número de pessoas. Em um ponto crítico desse processo de diluição, a adoração deixa completamente de ser reconhecida como adoração por aqueles que andam em intimidade com Deus. O número de membros talvez aumente, mas o crente espiritual e solitário, que testemunha esse declínio, receia que o Espírito Santo esteja sendo abafado e Se retraindo. “Icabode” (Foi-se a glória de Israel) é o verdadeiro nome de tal igreja. É quase impossível acharmos comunhão espiritual. Os poucos crentes realmente santos que restam isolam-se e mantêm-se solitários.
Nenhuma solidão é tão difícil de ser suportada quanto a solidão experimentada em meio a multidões. Quantos crentes percebem essa situação em suas próprias igrejas! São os últimos a falarem sobre isso, porque são pessoas pacientes, dedicadas a oração e longânimes. Não é bom para seus pastores e líderes permitirem que situações como esta permaneçam em suas igrejas. Ao diluírem a adoração, atraíram à igreja multidões inconstantes, e entristeceram o coração dos justos.
Existem prejuízos visíveis resultantes desse tipo de mudança sobre a qual falamos. Um deles é o tratamento cruel demonstrado ocasionalmente à ovelhas fiéis que se recusam a mudar. Devido ao fato de que eles não podem, em boa consciência, seguir a debanda geral para abrilhantar a adoração a Deus, bons ministros do evangelho têm de abandonar suas igrejas. Não se leva em conta que eles passaram vinte ou trinta anos expondo com fidelidade e devoção a Palavra de Deus aos seus rebanhos. E qual é o seu crime? É resistirem ao clamor universal por inovações. Portanto, esses homens bons têm de ceder lugar ao menu de aprimoramentos que pastores jovens e líderes fracos insistem em oferecer à igreja.
Outro fruto menos agourento desse novo estilo de vida da igreja é o surgimento, em nossa época, da rejeição da lei de Deus na vida prática. Alguém pode evitar referir-se a isso em detalhes; mas o fato evidente é que os novos membros de igreja têm se revelado menos felizes em resistir à tentação do que os crentes antigos costumavam ser. Sem dúvida houve excesso de severidade na adoração praticada por igrejas do passado. Mas os crentes sentiam-se seguros. Eles não brincavam com a tentação. Não apelavam à carne. As pessoas vinham à casa de Deus com roupas estritamente adequadas e decoro completo. Infelizmente, isso não pode ser dito sobre muitos dos cultos modernos. Uma grande multidão diversificada na casa de Deus abaixa todo o nível da adoração. Todo pastor sabe que existem prejuízos morais resultantes dessa falta de santidade prática. Não deveria ser assim.
É uma consolação para as ovelhas de Cristo ‘não pastoreadas’ saberem que nos céus elas têm um Pastor que contempla seu estado. Precisam recordar sua verdadeira posição, retratada pelo Pastor em passagens bíblicas como Ezequiel 34. Estão solitárias por causa da incompetência e inaptidão de seus líderes. Os outros crentes não as amam nem desejam sua companhia, porque são ‘muito espirituais’ para sua geração. Mas um dia Cristo exigirá de seus pastores negligentes uma explicação para essa negligência. Além disso, o próprio Senhor Jesus tomará para Si mesmo Seu povo solitário e desprezado, outorgando-lhes sua graciosa presença, nesta e na vida por vir.
Os crentes solitários de nossos dias devem meditar nessas palavras maravilhosas:
“Estou contra os pastores e deles demandarei as minhas ovelhas. Eis que Eu mesmo procurarei as minhas ovelhas e as buscarei; livrá-las-ei de todos os lugares para onde foram espalhadas no dia de nuvens e de escuridão; apascentá-las-ei de bons pastos, e nos altos montes de Israel será a sua pastagem. Eis que julgarei entre ovelhas e ovelhas, entre carneiros e bodes. Eu, o Senhor, lhes serei por Deus, e o meu servo Davi [Cristo] será príncipe no meio delas; eu, o Senhor, o disse.” (Ez. 34.10,11,12,14,17 e 24)
Com tais promessas, quem não desejaria estar sozinho com Cristo por breve tempo nesse mundo?

Pense nisso!

 (EXTRAÍDO)

Visite minha página no Facebook: Raquel Roque. E conheça meus blogs:
www.bonnevievie.blogspot.com.br

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

COMO CANTAR UMA NOVA CANÇÃO


Encontre um momento, hoje, para cantar. 
Encontre um lugar, hoje, para cantar.
Não cante apenas porque é bonito.
Não cante apenas porque relaxa.
Não cante a canção que aprendeu de tanto ouvir. 
Cante a canção que defina a sua vida,
Talvez aprendida na infância.
Cante para louvar a Deus.
Cante uma canção nova,
Mesmo que seja antiga.
Cante uma canção nova,
Nova no sentido de profunda,
Tão profunda que faça você chorar de prazer.
Uma canção é nova
Quando celebra a confiança no Deus
Que tem feito coisas maravilhosas em nosso favor.
Uma canção nova é aquela que nasce
De nossa certeza que Deus SEMPRE se lembra
De pôr a sua bondade em ação.
Uma canção nova é um convite a Deus
Para que ele aja.
Quando cantamos louvores a Deus,
Pomos todo o nosso ser (corpo e mente) na presença dEle.
Quando louvamos a Deus,
Nós O colocamos no Seu lugar
De Senhor das nossas vidas.
O louvor é, portanto, um gesto poderoso.
Louvar é sair um pouco de nós mesmos,
Para sermos conduzidos pelo Espírito de Deus.
Nosso louvor pode ser feito em grupos,
Mas também sozinhos.
O louvor pode acontecer
Nas horas programadas,
Mas também nos momentos inesperados.
Podemos preparar estes momentos.
Se hoje não foi possível,
Deseje que amanhã o seja.

Israel Belo de Azevedo

Pense nisso!

Se gostou, deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos nas redes sociais.
Conheça também...
www.bonnevievie.blogspot.com.br


terça-feira, 7 de outubro de 2014

SER FELIZ



De Rodrigo Gomes.

Você pode perguntar a uma pessoa: O que você quer da vida? 99,9% irão responder: Ah! Eu quero ser feliz! O engraçado, porém, é que ninguém sabe verdadeiramente o que lhe faz feliz. Muitos objetivos na vida e muitas coisas que buscamos julgando ser a fonte da felicidade não passam de ilusão!
É loucura abrimos mão de sermos felizes agora para buscar uma felicidade futura, que pode nunca chegar. Talvez quando conquistar aquilo que tanto sonhou você possa olhar pra traz e dizer: Puxa! Eu não sou feliz! E agora?
Percebemos, então, que a felicidade é algo que se vive apenas no presente. Quando você projeta a possibilidade de uma felicidade no futuro desconhecido, o faz baseado em impressões atuais, que podem mudar a qualquer momento. E, se você não é feliz com o que é ou tem hoje, provavelmente não o será amanhã.
É claro que projetar o futuro é essencial para a vida de qualquer pessoa. Mas a questão é: Como planejar? A quem recorrer para nos ajudar? Quem pode conhecer nosso futuro?
Só existe uma pessoa que pode nos ajudar nesta tarefa, pois é a única que conhece o futuro. Seu nome é Jesus Cristo! Sem Ele a felicidade é impossível, agora e no futuro.
É preciso aprender que tudo que nos afasta de Cristo não traz felicidade genuína. Mas, se Cristo for o Senhor da sua vida, Ele tem prazer em ajudar você a vencer os desafios da vida e realizar os seus sonhos.
Muitas vezes, como um pai, Ele pode lhe dizer: “Não! Não é isso que quero para você!”, e isso vai doer, porque dói ser contrariado. Porém, em Sua sabedoria, Seu objetivo é fazer você depender mais Dele e, consequentemente, se relacionar mais com Ele, a fim de lhe fazer completo e satisfeito, independente das circunstâncias.
Cristo quer que você experimente a felicidade que só Ele pode dar! Ele é esse ‘algo’ que falta em todos nós!
Então, queira aquilo que Deus quer!
Deseje antes a vontade Dele do que a sua própria!
Busque-O em primeiro lugar, e Ele acrescentará à sua vida tudo mais que vai realizar e satisfazer você.
Aí, sim, você será realmente feliz!

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas as demais coisas lhes serão acrescentadas.” Mateus 6.33

Pense nisso!

Visite minha página no Facebook: Raquel Roque. E conheça meus blogs:
www.bonnevievie.blogspot.com.br



segunda-feira, 6 de outubro de 2014

ADORE COMO UM SÓ CORPO – Parte 2




O salmista declara:

Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do SENHOR”
(Salmo 122.1)

Eis aqui oito razões para não deixarmos de nos reunir com os irmãos na célula ou no templo:

Continuação...

4ª) Manifestações da Presença de Deus
Enquanto tentava equilibrar a preferência dos coríntios por certos dons espirituais, Paulo observou como esses dons podem despertar um incrédulo para a presença de Deus. David Peterson escreveu: “O texto de I Coríntios 14.24-25 sugere que Deus está presente de um modo distinto na reunião cristã através de sua palavra e da operação do seu Espírito” (Engaging with God, [Envolvendo-se com Deus], página 196). Sem fazer dos encontros experimentais com Deus o nosso principal objetivo, devemos esperar que Ele nos torne mais conscientes da sua presença quando nos reunimos como igreja.

5ª) A Voz de Deus através da Pregação
A tecnologia atual nos permite ouvir sermões que perdemos ou mensagens de igrejas que nós nem sequer frequentamos. Mas quando a igreja se reúne em um mesmo lugar e ao mesmo tempo para ouvir, com expectativas, a Palavra de Deus ser proclamada, é um evento único. O próprio Deus se dirige a nós como o seu povo. O Espírito trabalha em nossos corações para nos convencer, confortar, iluminar e exortar. Ouvimos a voz de Deus através de um porta-voz humano e somos transformados.

6ª) Demonstrando Unidade no Evangelho
Ser um em Cristo é mais do que reunir-se regularmente no mesmo local, mas também não é menos do que isso. Cantar canções, recitar versículos e ler as Escrituras juntos são formas de declarar a mim mesmo e aos outros que eu faço parte de um templo santo, e que não sou apenas um tijolo aleatório ou uma pedra solta (Efésios 2:19-22). “A proclamação cristã pode tornar o evangelho audível, mas os cristãos que vivem juntos em congregações locais tornam o evangelho visível” (leia João 13.34-35)” (Mark Dever, The Church: The Gospel Made Visible, [A Igreja: o evangelho visível], página XI).

7ª) Morrer para Si
Vamos admitir — é mais fácil adorar a Deus sozinho do que com os outros. As reuniões na Igreja apresentam muitas implicações, tais como espaço insuficiente do estacionamento, pessoas que tomam meu lugar, vozes irritantes, músicas que eu não gosto e pessoas com problemas. No entanto, essas reuniões são oportunidades ideais para cultivarmos a atitude humilde de Cristo (Filipenses 2.1-5) e morrermos para nós mesmos.

8ª) Prenúncios do Céu
Quer saber como será no céu? Vá à igreja. O canto pode não ser tão excelente, os números podem ser drasticamente reduzidos e as pessoas podem vir todas da mesma etnia. Mas Hebreus 12 diz que já chegamos “à Jerusalém celestial, e aos milhares de milhares de anjos em alegre reunião, à igreja dos primogênitos, cujos nomes estão escritos nos céus, e a Deus, juiz de todos os homens, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados, e a Jesus, mediador de uma nova aliança” (Hebreus 12.22-24). Jesus nos trouxe para perto do Pai através da sua obra expiatória consumada no Calvário. Podemos nos aproximar com ousadia ao trono da graça com o seu povo (Hebreus 10.19-22). Isso é o céu!
Portanto, da próxima vez que você for tentado a pensar que faltar uma reunião de domingo não causará dano, lembre-se de que você estará ausente. E agradeça a Deus por ter o privilégio e a liberdade de desfrutar a adoração coletiva com o corpo de Cristo a cada semana.

Pense nisso!

Se gostou, deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos nas redes sociais.
Conheça também...

www.bonnevievie.blogspot.com.br