Obrigada.

Bem vindo(a)! Que você seja edificado(a) com as mensagens! Volte sempre!

sábado, 17 de novembro de 2012

Enfrentando Conflitos


Há diversos passos importantes que devemos considerar quando enfrentamos um conflito.

1º) Pergunte a si mesmo se a ira ou qualquer outra mensagem negativa que está recebendo destina-se a você ou à outra pessoa. A maneira pela qual interpretamos uma experiência determina nossa reação para com ela. Se o marido chega em casa e grita com você e você toma seus gritos como ira não justificada para com você, não tem como não ficar ressentida com ele. Mas se você souber que o patrão gritou com ele o dia inteiro e teve de aguentar a chateação de dois ou três clientes. Se você reconhecer que aqueles gritos são destinados a eles e não a você, sem dúvida, será mais fácil manter-se calma e não receber a reação dele como afronta pessoal. Sendo assim, você tem que descobrir a verdade sobre o que o outro vivenciou antes de começar uma guerra. Você pode começar perguntando: Há alguma coisa sobre a qual precisamos conversar? É realmente espantoso quantas cenas poderiam ser evitadas mediante uma conversa calma e sincera para descobrir o que está acontecendo com o outro. A chave está em usar a cabeça antes de usar a boca, e, se usar a boca, que seja com calma e pacificamente. A Bíblia ensina: “A palavra dura suscita a ira, mas a palavra branda desvia o furor.” Provérbios 15.1.

2º) Examine-se para ver se o problema é você mesmo. Temos a tendência de supor certas coisas a respeito dos outros e por isso esperamos que ajam de acordo com nossas suposições. Traçamos quadros mentais do que desejamos ou precisamos que os outros sejam e geralmente insistimos em que se ajustem às nossas expectativas. O problema surge quando tornamos a outra pessoa responsável pelas nossas ilusões e frustrações. Não aprisione a outra pessoa às suas expectativas. Antes, permaneça aberto à sua auto revelação a fim de desenvolver um relacionamento com a pessoa “real” e não com a imagem em sua mente. Quando olhamos os álbuns de família, logo percebemos as mudanças físicas. Devemos aprender a aceitar da mesma forma as mudanças dos outros em todos os outros aspectos. Deixar a pessoa avançar pode ser doloroso, mas no fim será infinitamente mais emocionante e criativo. Pergunte-se permanentemente: Estou pronto a aceitar a outra pessoa como é em lugar de minhas próprias expectativas? Dou-lhe liberdade de ser ela mesma, ou exijo que haja de acordo com a imagem que eu fiz dela? Resista ao desejo de “reformar” a outra pessoa. Isso é um erro grave. Deus nos criou originais e Ele tem o propósito de abençoar e enriquecer outras pessoas através do desenvolvimento de nossos talentos e oportunidades.

3º) Não se torne prisioneiro(a) de uma atitude crítica. Quando você cede a um espírito crítico, não pode lidar de maneira realista com sua vida e emoções e nem ver com clareza as outras pessoas. As atitudes críticas envenenam os relacionamentos e nos afastam de todos, inclusive de nós mesmos. Jesus ensinou: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida com que tiverdes medido vos medirão também. Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, mas não reparas na trave que está no teu próprio? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, quando tens a trave no teu? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho e então verás claramente para tirar o argueiro do olho de teu irmão.” (Mateus 7.1-5). Recebemos o que damos. Se ao menos pudéssemos entender a outra pessoa sem exigir perfeição, teríamos menos motivos para ser tão críticos ao seu respeito. A compreensão não nos capacitará a encontrar gente boa, muito menos perfeita, porque todos nós partilhamos da mesma doença do egoísmo e do pecado. Entretanto, pode abrir-nos a porta da empatia em lugar do julgamento. Sem a empatia jamais haverá compreensão ou possibilidades de resolver nossos conflitos.

4º) Não se acuse injustamente pelos fracassos que inevitavelmente surgirão. Se você achar que é a causa do conflito num relacionamento, há alguns passos que pode dar: examine suas ações e atitudes; peça ao Senhor que lhe dê uma compreensão mais profunda; procure o conselho de um cristão amigo; admita seu erro à pessoa ofendida. Se, entretanto, o lado ofendido se recusar a permitir que o relacionamento seja restabelecido, depois que você tudo que podia em sã consciência, aceite o conflito como problema dele e prossiga sem carregar um complexo de culpa desnecessário. Prosseguir nem sempre significa fazê-lo fisicamente, mas emocionalmente. Às vezes a outra pessoa não está pronta a resolver a dificuldade, e você tem de lhe dar espaço e tempo emocionais. Neste caso, canalize suas energias e esforços em outra direção e recuse-se a continuar a controvérsia.

Se esforce para captar e compreender, e também praticar as ideias oferecidas aqui. Comece devagar, uma proposta de cada vez, e prossiga até conseguir praticar todas. Às vezes, tentamos agarrar-nos a muitas ideias ao mesmo tempo, sem tentar colocar algumas delas em prática com eficiência.

Tenha uma semana muito abençoada.