Obrigada.

Bem vindo(a)! Que você seja edificado(a) com as mensagens! Volte sempre!

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Como você trata seus pais?

Júlio, 40 anos, depois de muito tempo sem ver seu pai, resolveu visitá-lo e passear com ele. Foram para um parque da cidade, sentaram-se num banco da praça.
Enquanto Júlio lia o seu jornal, o pai observava a natureza com os olhos cansados de um homem de 85 anos. De repente, um movimento nas árvores e o pai de Júlio, seu Orestes pergunta:
_ Filho, o que é aquilo?
Júlio, afasta por um segundo o jornal e responde: 
_ É um pássaro, pai...
O velho pai continua acompanhando o movimento do passarinho, e pergunta, novamente: 
_ O que é aquilo?
Estressado, Júlio, responde de forma ríspida: 
_ Poxa! Já falei, aquilo é um pássaro!
Passados alguns segundos, seu Orestes torna a perguntar, apontando para o passarinho.
_ O que é aquilo?
Desta vez o filho explode, com a paciência esgotada, e grita com o pai: 
_ O senhor está caduco, surdo? Já falei que aquilo é um pássaro! Um P Á S S A R O! Entendeu?
Nisso, o velho pai, faz um sinal pedindo para o filho aguardar, tira da bolsa uma espécie de diário e pede para o filho ler em voz alta, um trecho escrito há muitos anos. O filho lê, em voz alta:
_ “Ontem, meu filho, com três aninhos, me perguntou 8 vezes o que era aquilo voando de uma árvore para outra e respondi todas as vezes com muita paciência, que era um pássaro! E todas as vezes abracei meu filhinho, orgulhoso e cheio de amor”.

Às vezes não temos paciência com nossos pais, achando que eles são chatos e velhos. Esquecemos que eles nos educaram, socorreram, investiram todo seu tempo, paciência e amor para que pudéssemos, um dia, nos tornar pessoas de bem. 


(autor desconhecido)

Pense nisso!

Se gostou, deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.
Conheça também...


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

A quem pertence o presente?

Numa pequena província no Japão vivia um grande samurai, já idoso, que agora se dedicava a ensinar aos jovens. Apesar de sua idade, existia uma lenda de que o mestre ainda era capaz de derrotar qualquer adversário. 
Certa tarde, um jovem guerreiro conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu por ali. Era famoso por utilizar a técnica da provocação, fazendo com que seu adversário perdesse a calma e agisse com raiva. Ele esperava que seu adversário fizesse o primeiro movimento e, dotado de uma inteligência privilegiada, contra-atacava com velocidade fulminante. O jovem guerreiro jamais havia perdido uma luta. Conhecendo a reputação do samurai, estava ali para derrotá-lo, e aumentar sua própria fama. Todos os estudantes se manifestaram contra a ideia, mas o velho aceitou o desafio.
Foram todos para a praça da cidade, e o jovem começou a insultar o velho samurai. Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou todos os insultos conhecidos, ofendendo inclusive seus ancestrais. Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível, não se abalava com nada. No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o impetuoso guerreiro retirou-se. 
Desapontados pelo fato de que o mestre aceitar tantos insultos e provocações, seus alunos perguntaram: 
_ Como o senhor pode suportar tanta indignidade? Por que não usou sua espada, mesmo sabendo que podia perder a luta, ao invés de mostrar-se covarde diante de todos nós?
O mestre então disse:
_ Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente? - perguntou o Samurai. 
_ A quem tentou entregá-lo - respondeu um dos discípulos.
_ O mesmo vale para a inveja, a raiva, e os insultos - disse o mestre. Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os trouxe consigo. A sua paz interior depende exclusivamente de você. As pessoas não podem lhe tirar a calma se você não permitir.


Pense nisso!

Se gostou, deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.
Conheça também...

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

A VIDA É FEITA DE ESCOLHAS

Não podemos escolher o que a vida vai colocar à nossa frente, mas podemos escolher como agimos diante do que ela apresenta.
Nosso momento atual se deve às escolhas que fizemos. Se queremos um futuro melhor, precisamos melhorar as nossas escolhas.
Lembre-se: Decisões ou promessas não mudam nossa vida. Atitudes, sim!
Há 2 tipos de atitudes: as limitadoras e as vencedoras.
Atitudes limitadoras fecham portas, restringem nosso sucesso e felicidade. Estão ligadas aos nossos medos e mecanismos de defesa. Deixam-nos acomodados em nossa zona de conforto. Atrasam nossa vida.
Atitudes Vencedoras abrem portas, contribuem com nosso crescimento, ampliam as possibilidades. Elas nos trazem benefícios na esfera da integração do ser, tornando-o pleno, realizado. Conduzem-nos ao sucesso e resultam em especial fonte de prazer, satisfação e bem estar.
Nossa vida depende da qualidade das nossas atitudes!
Como andam as suas atitudes diante da vida?
Elas têm sido limitadoras ou vencedoras?


@carloshilsdorf

Pense nisso!

Se gostou, deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.
Conheça também...