Obrigada.

Bem vindo(a)! Que você seja edificado(a) com as mensagens! Volte sempre!

sábado, 9 de novembro de 2013

Como lidar com os problemas

Certo dia num mosteiro, com a morte do guardião, foi preciso encontrar um substituto. O grande Mestre reuniu, então, todos os discípulos para descobrir quem seria o novo guardião, e com muita tranquilidade, falou: 
- Assumirá o posto o monge que conseguir resolver primeiro o problema que eu vou apresentar.
Então ele colocou uma mesinha magnífica no centro da enorme sala em que estavam reunidos e, em cima dela, colocou um vaso de porcelana lindo e muito raro, com flores de extraordinária beleza. E disse apenas:
- Aqui está o problema! Resolvam.

Todos ficaram olhando a cena: um belíssimo vaso de porcelana, de valor inestimável, com lindas flores. O que representaria? O que fazer? Qual o enigma? 
Nesse instante, um jovem discípulo dirigiu-se ao centro da sala, sacou a espada e ZAPT! Com um só golpe destruiu tudo, vaso, flores e mesa.
Todos ficam espantados com a audácia do jovem monge em fazer tamanho estrago àqueles lindos objetos.
O mestre abriu um largo sorriso nos lábios e seus olhos brilharam. O jovem discípulo havia cumprido perfeitamente a tarefa. E o velho mestre diz:
- Parabéns filho, você venceu! Irmãos, temos o novo monge guardião. Só ele foi capaz de ter sabedoria, força, e atitude para resolver o problema. Ele teve a sabedoria de desvendar o segredo, a força de vencer o seu medo e a atitude de destruir algo tão lindo quando todos os outros titubeavam e admiravam a beleza dos objetos.
A linda mesa, o lindo vaso e as belas flores eram o problema. E não importa quão lindo seja esse problema, o quanto ele nos distraia ou nos cause admiração, se é um problema, deve ser eliminado!

(PÁGINA OFICIAL: Carlos Hilsdorf)



Pense nisso...

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Sou mãe e com muito orgulho!

Vivemos dias de tradições quebradas e valores distorcidos. Somos pressionados diária e cruelmente pela mídia que ‘dita’ o senso comum, e, quando não nos moldamos a ela, nos esmaga com complexo de culpa, de solidão e exclusão. Quando alguém cita um provérbio que aprendeu com os avós, é tido por antiquado ou considerado um ET. No fundo, todos sabemos que nossos pais e avós tinham sabedoria inegável e, mesmo sem querer, frequentemente os imitamos. Não deveríamos ter vergonha disso, mas temos.
Não podemos descartar um comportamento só por causa do que “os outros” vão pensar. Exemplo disso é sobre ser dona de casa e mãe de tempo integral, artigo raro hoje em dia. Parece que ser uma denota incompetência, falta de opções de emprego ou ignorância. Pois não deveria ser assim!
Ser dona de casa virou sinônimo de ser antiquada, ser mãe é sinal de atraso de vida... As meninas já não brincam de casinha ou de boneca, mas de desfile de modas, de secretárias, ou pior, de baile funk. Onde nós vamos parar? Deus nos deu a maior de todas as dádivas e a estamos desprezando.
Quando meu primeiro filho nasceu (Wesley, hoje com 22 anos), um grupo de amigas veio vê-lo e fizeram o “Culto do Bebê”. (Que saudade dos tempos em que se fazia isso!). Durante a conversa expus minha frustração por não
Eu e meu filho Wesley,
no dia do seu batismo.
estar “dando conta do recado”, na época, cuidar da casa, do bebê, do marido e ainda trabalhar na minha igreja, como costumava fazer antes. Realmente estava muito difícil, eu estava esgotada e me sentia culpada, o que aumenta exponencialmente o peso do cansaço. Foi então que uma amiga querida me chamou num canto e ministrou profundamente ao meu coração. Em poucas palavras ela me disse:
_ “Raquel, seu maior e mais importante ministério para este tempo é cuidar de seu filho. Ele precisa e deve ser seu primeiro ministério agora. Depois virá o tempo em que as outras coisas tomarão também o seu tempo e dedicação, mas agora, este é o chamado de Deus para sua vida! Valorize-o!”
Aquilo entrou como uma flecha e guardei no coração como o que realmente era: uma palavra de Deus. Isso me confortou e renovou minhas forças. Foi realmente um dia especial.
A Bíblia diz que “há tempo para todas as coisas” (Ec. 3), mas nossas prioridades e valores são desordenados pelas pressões da pós modernidade. No afã de quebrar paradigmas adquirimos outros sem ao menos avaliar se são realmente melhores do que os anteriores. (Em alguns casos é melhor ficar sem nenhum!)
Hoje vejo mulheres deixando os filhos sempre para depois. Depois da faculdade, da carreira, da estabilidade financeira, depois do trabalho, depois de tudo, quando já estão velhas demais, cansadas demais,... Outras têm filhos, mas os deixam na creche, na escolinha, com a empregada ou sob cuidado de outrem, abnegando o prazer de criá-los a seu modo (o melhor modo!). Ainda há aquelas que, em nome do seu “chamado ministerial”, largam os filhos para “fazer a obra de Deus”. Mães relapsas que certamente chorarão este precioso tempo perdido. Será que vale a pena? É isso que agrada a Deus? É assim que Ele quer? Foi pra isso que Ele criou a mulher? Foi pra isso que nos deu o dom da maternidade?
O que é mais importante? Um filho ou uma carreira? Um filho ou um curso, uma profissão, ajuntar dinheiro? Um filho ou sucesso ministerial? Há maior prazer do que dar a luz um filho? Há maior alegria do que vê-lo crescendo, se desenvolvendo e aprendendo a andar, falar, escrever? Não! Não há dinheiro no mundo que pague a satisfação de educar um filho para a vida! Não há carreira mais nobre! Não há maior satisfação pessoal! Não há ministério mais importante para Deus!
Precisamos analisar nossas escolhas. Na lista de prioridades de Deus, primeiro vem a família, depois o ministério e depois a carreira secular, o emprego, a faculdade, etc. A sabedoria de Deus planejou para ser assim. Além disso, filhos são como as flechas do valente. Você os atira e eles vão além. Além da nossa carreira, além da nossa educação, além da nossa capacidade. Eles serão a resposta do nosso maior investimento: investir vida na vida. E isso não tem preço!


Pense nisso...

Valorize o que você tem

Um comerciante, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o certa vez na rua: 
- Sr. Bilac, estou a precisar vender o meu sítio, que o Senhor tão bem conhece. Poderia, por gentileza, redigir o anúncio para a venda no jornal? 
Olavo Bilac apanhou o papel que o amigo lhe estendia e escreveu:

VENDE-SE ENCANTADORA PROPRIEDADE
"Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo. Cortada por cristalinas e marejantes água de um ribeiro.
A casa, banhada pelo sol nascente, oferece a sombra tranquila das tardes na varanda".
Meses depois, o poeta reencontrou o comerciante e perguntou-lhe se havia conseguido vender a propriedade.
- Nem pensei mais nisso Sr. Bilac! Quando li o anúncio que o senhor escreveu é que percebi a maravilha que tinha nas mãos.

Às vezes não descobrimos as coisas boas que temos conosco e vamos longe atrás de miragens e falsos tesouros. Valorize o que você tem. Sua família. A pessoa que está ao seu lado, os amigos que estão junto a você, o emprego que Deus lhe proporcionou, o conhecimento adquirido, a sua saúde, o sorriso... Enfim, tudo aquilo que Nosso Senhor nos oferece diariamente para o nosso crescimento espiritual.
(apesar de atribuída a Olavo Bilac, a verdadeira autoria deste texto é desconhecida)

(PÁGINA OFICIAL: Carlos Hilsdorf)


Pense nisso!

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Pescadores e o que mais?

“E Jesus, andando junto ao mar da Galiléia, viu a dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão, os quais lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores; e disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens.” Mateus 4.18-19 (Grifo meu)
 
Podemos aprender neste texto que...

1. Um grande ministério não se faz sozinho.  Um ministério que deseja se expandir deve formar outros líderes iguais ao primeiro - Jesus começou Seu ministério convidando outros para formar Sua equipe. Ele não tinha medo de ser suplantado por aqueles a quem treinaria. Pelo contrário, desejava que fossem além de si mesmos, além do que Ele ensinou, além do que O viram fazer.
“Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que Eu faço, e as fará maiores do que estas,...” João 14.12
 
2. Os escolhidos para o Ministério de Deus são sempre os que estão ocupados - Jesus escolheu homens que estavam trabalhando. E não somente pescadores, mas boiadeiros, médicos, cobradores de impostos, políticos, mestres, fazedores de tendas, pastores de ovelhas, alfandegários, costureiros, dentre outros.
 
3. O chamado para o ministério sempre vem de acordo com as habilidades que Deus já deu a cada um – Jesus chamou pescadores para se tornarem pescadores de homens. E se Ele encontrasse professores? Certamente os chamaria para serem mestres da Lei de Deus. E se fossem pedreiros? Os chamaria para serem construtores de vidas. Assim por diante, poderíamos enumerar muitas outras profissões que Jesus chamaria, e ainda chama hoje. Qual é a sua profissão?

Jesus chama...
ü Carpinteiros para endireitar e aplainar os “paus que nasceram tortos”;
ü Artesãos para embelezar o coração, a mente e a vida das pessoas;
ü Motoristas para levar pessoas para o céu;
ü Bombeiros, não para apagar, mas para incendiar o coração das pessoas;
ü Deputados e senadores para ensinar, pregar e inculcar as leis de Deus nos corações;
ü Assistentes sociais para amparar os necessitados de amor e fé;
ü Fisioterapeutas para estimular os músculos espirituais dos cristãos;
ü Médicos para curar as feridas da alma;
ü Dentistas para retirar as cáries do pecado nas pessoas;
ü Amas e babás que amamentem os recém-convertidos;
ü Domésticos que se infiltrem em muitos lares para abençoá-los;
ü Coveiros que sepultem o velho homem de cada crente;
ü Cabeleireiros que modelem não os cabelos, mas os pensamentos das pessoas de acordo com a Palavra de Deus;
ü Manicures que tirem as arestas, aparem as unhas e preparem mãos que abençoam e curam;
ü Pedicures que preparem os pés para anunciar o evangelho da Paz;
ü Soldados que se alistem para a Batalha Espiritual;
ü Radialistas e repórteres que transmitam as boas novas do evangelho a todo o mundo;
ü Meteorologistas que dêem a previsão de dias melhores, ainda que no céu; que alertem os cristãos sobre a iminente volta de Cristo;
ü Lixeiros que expurguem do nosso meio o pecado, as tristezas, as mazelas e todo o mal;
ü Donas de casa que eduquem filhos para glória de Deus, que os alimentem com Bíblia e cuidem de sua pureza todos os dias;
ü Cobradores de impostos que restituam o que as pessoas perderam ou o que lhes foi roubado;
ü Promotores que promovam a paz e o bem estar de todos, sem vender, mas doando-se a si mesmos e distribuindo bençãos;
ü Escrivães que registrem muitos nomes no livro da vida através da salvação de almas;
ü Escritores e poetas que embelezem as páginas da história das pessoas com a Palavra de Deus em verso e prosa;
ü Semeadores para a grande colheita de almas para o Seu Reino;
ü Mães e pais espirituais para gerarem filhos para Deus;
ü Etc., etc., etc..
 
Jesus chamou pescadores porque os encontrou pescando. E você? O que você sabe fazer? O que está fazendo agora? Jesus lhe chama para fazer parte da Sua equipe que é composta de pescadores... e o que mais? Você é quem vai completar Sua lista.
 

Pense nisso!

O cego

Havia um cego que pedia esmola numa esquina da cidade. 
Todos os dias, um escritor passava por ele, sempre de manhã e à noite. Em todas as ocasiões, deixava alguns trocados no chapéu. 
O cego segurava um cartaz com a seguinte frase: 

"Cego de nascimento. Uma esmola, por favor."

Um dia, o escritor teve uma ideia: virou o cartaz do cego ao contrário e escreveu outra frase. 

À noite, perguntou ao cego como tinha sido o seu dia. 
O cego, muito contente, respondeu: 
"Até parece mentira, mas hoje foi extraordinário! Todos que passavam por mim deixavam alguma coisa. Afinal, o que é que você escreveu no letreiro?" 
O escritor tinha escrito uma frase breve, mas que mexia com todos os que passavam. A frase era: 

"Em breve chegará a primavera e eu não poderei vê-la." 

A maioria das vezes não importa o que você diz, mas como você diz. Por isso, tome cuidado ao falar com as pessoas. Fale com o coração. Toque a alma e a sensibilidade das pessoas com suas palavras. 
Certamente, você será mais bem compreendido.
(PÁGINA OFICIAL: Carlos Hilsdorf)
 

Pense nisso...

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Foco nos objetivos



Beto era um adolescente que vivia “pisando na bola”, desregrado, bagunceiro, matava as aulas para se divertir. Um dia o professor o chamou para uma conversa:
- Beto, sei que você tem potencial, que é muito inteligente, mas está cometendo erros que podem prejudicar sua vida – disse o professor.
Meio sem jeito, Beto perguntou:
– Professor, o que devo fazer para não cometer tantos erros? Tenho me esforçado, mas não estou conseguindo melhorar!
O professor então pegou um copo, encheu-o de água até a boca e entregou-o a Beto, dizendo:
– Ande com esse copo por todo o colégio, suba e desça todas as escadas, entre em todos os cantos, nos jardins, classes, corredores, e volte aqui sem derramar uma só gota.
– Ah professor, isso é impossível! – Respondeu Beto.
– Pelo menos tente. Tenho certeza que vai conseguir – disse o mestre.
Beto então saiu, devagar, com os olhos fixos no copo. Subiu e desceu escadas, entrou e saiu das salas, corredores, percorreu todos os cantos do colégio, e voltou sem ter derramado uma só gota de água.
O professor sorri para Beto, bate em seus ombros e lhe diz: 
- Você não viu as garotas que passeavam pelo jardim no horário de aula? Não viu seus colegas matando aula para bagunçar e jogar baralho?
– Não. Eu estava com os olhos fixos no copo – respondeu Beto.
O mestre então diz:
– Quando você estabelece objetivos, metas para sua vida, e coloca seu foco neles, assim como fez com o copo, encontrará a força e a motivação necessárias para vencer os desafios e as dificuldades da vida.
PÁGINA OFICIAL: Carlos Hilsdorf

Pense nisso...