Obrigada.

Bem vindo(a)! Que você seja edificado(a) com as mensagens! Volte sempre!

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

“Amor à Vida” ou “Amor à Morte”?


“Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.” (Provérbios 14.12)

Eu sei que textos longos são geralmente interrompidos, no começo ou pelo meio. Mas eu preciso que você leia até o fim. Vai valer a pena!
Não assisto novelas, e em geral, boicoto decididamente, por convicção pessoal e bíblica, as programações da Rede Globo. Mas esta emissora, não obstante todos os protestos das redes sociais (dentro e fora da web) criou uma mística a respeito de si mesma que hipnotiza, encanta e engana as pessoas, as quais, movidas como marionetes, julgam estar bem informadas e “na moda”, não se dando o direito de “experimentar” outros canais e programas, iguais ou melhores do que os da Globo.
Infelizmente há muitos cristãos que, mesmo conhecendo a Bíblia e seus valores, e sendo explicitamente ridicularizados na TV Globo, ainda assistem de bom grado toda sujeira que ela oferece.
Também por causa desse “encantamento”, quase todos os estabelecimentos onde tem uma TV estão sempre ligados neste canal. Sendo assim, quando você sai com a família pra um lanche ou jantar, é obrigado a assistir algumas coisas nojentas até de se dizer. É assim que, por relances numa pizzaria ou lanchonete, observo o quanto este canal é nocivo ao povo, atraindo-o para caminhos de morte. A começar pelas imagens do início das novelas, só a chamada já é amaldiçoada, como no caso da novela “Salve Jorge”, que trazia a imagem do “santo” entrando da sua sala a cada chamada, propaganda e no início da mesma. Já escrevi e distribuí um texto sobre isso antes. Preste mais atenção e você vai ver como o diabo é astuto e sutil, então, fuja dele!
A última foi “Amor à Vida” que mostrava a beleza de um casal bailando, ao som do vozeirão do cantor Daniel, em um desenho animado muito bem feito e lindo (diga-se de passagem) que é pra atrair mesmo! No último segundo, em frações de segundo, como mensagem subliminar (ou não) deixava “escapar propositalmente”, a imagem da mulher que antes se transformava em pássaro, depois em mulher de novo, agora vira um homem, e num beijo romântico é carregada no colo pelo outro, que é um homem. A abertura já mostrava o que iria acontecer de fato durante e no final da novela. Admira-me que os cristãos ainda comam destas bolotas de Satanás, mesmo estando tão claras! Antigamente as mensagens eram subliminares, mas agora estão escrachadas.
No domingo passado (02/02/14), depois de um culto abençoado, fui com minha família a uma lanchonete. Quando entramos, demos de cara com uma TV enorme, de umas 50 polegadas ou mais, e vimos aquela cena deprimente – o 1º beijo gay em horário nobre, apesar de que estava sendo ostensivamente repetido pelo Fantástico – outro que já risquei da minha lista, porque o que oferece de bom vem tão revestido de malignidade que não dá pra continuar assistindo.
Fiquei tão indignada que saí e fui para outro estabelecimento. Surpresa! Lá também tinha Fantástico e me contentei em sentar longe da TV. Mas aquele abuso em horário que já deixou de ser nobre faz tempo, me incomodou até que decidi escrever o que você está lendo.
Busquei a sinopse da novela “Amor à Vida” (http://novelaamoravida.co/sobre-a-novela/) e, apesar de que não assisti-la vou lhe mostrar, a grosso modo (porque daria pra escrever um livro) como os caminhos das personagens são caminhos de morte e não de vida.
O médico César, diretor do hospital, é um adúltero que obriga seu filho, o vilão assumidamente gay, a manter-se casado para não envergonhá-lo. Enquanto ele mantém uma relação extraconjugal. 
“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de intemperança.” (Mateus 23.25)
Depois ele se separa da esposa e fica com a amante que é uma ladra, assassina e sequestradora, e o trai descaradamente diante de seus olhos, que agora cegos não podem ver.
“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.”
A família viaja ao Peru, onde a filha Paloma se apaixona pelo aventureiro Ninho, e fica grávida dele, sem casar-se.
“Quando um homem achar uma moça virgem, que não for desposada, e pegar nela, e se deitar com ela, e forem apanhados, então o homem que se deitou com ela dará ao pai da moça cinquenta siclos de prata; e porquanto a humilhou, lhe será por mulher; não a poderá despedir em todos os seus dias.”  (Deuteronômio 22.28-29)
Félix, o vilão da trama, um homossexual, usa a mulher e a filha para parecer respeitável.  Sua esposa Edith acaba se tornando cúmplice do marido. Invejoso, ele quer tirar a irmã Paloma do comando do hospital da família e rapta seu bebê fazendo-a pensar que sua filhinha morreu.
“Amor à vida” vai mais fundo. Tem a enfermeira virgem que tenta de todas as formas perder a virgindade. Perséfone está obcecada em se livrar do doloroso calvário que a vida lhe impôs: ter nascido virgem. Uma clara alusão à desvalorização do conceito cristão de que a relação sexual institui um laço entre homem e mulher que deve ser reconhecido pela condição única do casamento.
Márcia, uma ex-dançarina, que ganha a vida vendendo cachorro-quente, é mãe da periguete Valdirene, que tem um grande objetivo na vida: engravidar de alguém rico e famoso. Mostra a vulgaridade da mulher como um objeto.
Nicole, a milionária é traída pela amiga Leila que, ao descobrir que Nicole tem uma doença incurável, convence o namorado Thales a se aproximar da moça por dinheiro. Os dois se casam, e Leila vira sua amante. É tudo por dinheiro, incluindo traição, ambição, adultério, fornicação, etc.
Segundo a Rede Globo as relações familiares seriam vistas bem de perto nesta trama. De famílias em que pais e mães vivem em harmonia e trocam juras de amor e de fidelidade e em que irmãos são amigos. (Essa parte não parece em nenhum episódio da novela). E também de famílias que brigam, que vivem em desarmonia e que guardam segredos tão profundos que nem mesmo em pensamentos podem ser revelados (Isso, sim, se repete em toda novela). Todos os valores “familiares” são desmoralizados na novela que diz ser “familiar”.
Afinal de contas esta novela deveria se chamar “Amor à morte” e não “Amor à vida”.
E, se minhas palavras forem insuficientes (e sei que são), leia a Palavra de Deus e verá que Ele não se agrada de seus filhos assistindo coisas abomináveis aos Seus olhos.
“E a este povo dirás: Assim diz o Senhor: Eis que ponho diante de vós o caminho da vida e o caminho da morte.” (Jeremias 21.8)
Entenda! Deus quer que você escolha o caminho da vida.
“Para te afastar do mau caminho, e do homem que fala coisas perversas; dos que deixam as veredas da retidão, para andarem pelos caminhos escusos; que se alegram de fazer mal, e folgam com as perversidades dos maus, cujas veredas são tortuosas e que se desviam nos seus caminhos; para te afastar da mulher estranha, sim da estranha que lisonjeia com suas palavras; que deixa o guia da sua mocidade e se esquece da aliança do seu Deus; porque a sua casa se inclina para a morte, e as suas veredas para os mortos.” (Provérbios 2.12-18)
Veja se não é exatamente isso que as novelas globais apresentam. As outras também, mas as globais são as piores.
“Para o entendido, o caminho da vida leva para cima, para que se desvie do inferno em baixo.” (Provérbios 15.24)


Pense nisso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário