Obrigada.

Bem vindo(a)! Que você seja edificado(a) com as mensagens! Volte sempre!

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

“Amor de Deus e amor de gente” (De Raquel Roque)

Por que amamos mais alguns do que outros?
Por que nos dedicamos mais a algumas pessoas do que a outras?
Por que certas pessoas conseguem amar sem serem amadas? Ou amar seus inimigos?
É simples. É porque temos duas naturezas dentro de nós, a do amor divino e a do amor humano.
Entenda. Nós somos pessoas feitas do pó da terra, por isso nos comportamos como ela. Quando Deus criou o homem, formou-o do barro e soprou em suas narinas, dando-lhe o fôlego de vida. Então o homem passou a ter duas naturezas: a natureza da terra, do barro, do pó da terra. É a natureza de tudo que foi criado e do que é finito. Por isso possui também um amor finito e condicional.
Mas o homem também possui a natureza divina. Então, ele pode possuir e manifestar um amor infinito e incondicional.
Em outras questões também funciona assim, mas no diz respeito ao amor, podemos nos comportar sob as duas naturezas.
Quando amamos sob a natureza da terra, do barro do qual fomos formados, nos comportamos segundo as leis que Deus impôs a terra. Ele deu ordem para que ela devolvesse multiplicadamente tudo que nela fosse semeado. E a terra obedece ao Criador. Tudo que você semeia na terra, frutifica e lhe devolve muito mais. Isso também acontece no amor de natureza humana. Por isso, devolvemos mais àqueles que semeiam mais em nós sua atenção, seu cuidado, seu carinho. E também recebemos daqueles em quem semeamos, regamos e adubamos.
Através da natureza humana pode ser que você não consiga amar aos que nunca semeiam, ou que seu amor esfrie por não ser semeado, adubado e regado. Isso é natural, mas insuficiente. Não se contente com isso. Você foi criado para ir além, pois não temos só a natureza terrena.
Está certo que o homem perdeu sua identidade com o Criador quando pecou, mas todos os que se reconciliam com Deus através de Jesus, voltam a ter a Sua imagem e semelhança, não perfeita como antes, mas em grande parte.
Sendo assim, a pessoa salva e regenerada por Jesus torna a ter a centelha divina, e se assemelha com Deus também no amor. Então, essa pessoa consegue amar incondicionalmente. E quanto mais de Deus ela tem, mais amor pode oferecer aos outros, consegue amar incondicionalmente mesmo sem receber, e consegue amar até mesmo seus inimigos.
Agora pergunto: Como você ama? Até que ponto você ama? Seu amor é só terreno, sob a sua natureza puramente terrena? Ou seu amor é grande e incomparável? Que tipo de amor você concede àqueles a quem ama? Você consegue amar aos que lhe maltratam?
De qualquer forma, terreno ou divino, o amor tem sempre que ser abundante.
Busque encher-se de Deus e experimente o amor que vai além do entendimento e da lógica humana. Mas também seja terra fértil. Devolva multiplicadamente cada pequena semente de amor que alguém semear em você. Isso vai gerar um fluxo de semeadura e colheita abundantes permanentemente e vai fazer de você uma pessoa realizada e feliz. Afinal de contas, você foi criado para amar e ser amado. É simplesmente impossível fugir da sua natureza. Então, se entregue a ela e ame, ame muito.

Pense nisso!!!

Se você gostou, compartilhe este texto com alguém.
E conheça meus blogs.
É só clicar:

Um comentário: